Dúvidas? Entre em contato: (11) 2223-3310 / cadastro@esperia.com.br

ELISA PILARSKI – Rumo a Tóquio

RUMO A TÓQUIO

ELISA PILARSKI

(Fisioterapeuta integrante da delegação brasileira de Taekwondo)

O Clube Esperia tem a oportunidade de enviar mais um convocado para as Paralimpíadas de Tóquio 2020! Orgulho também com a nossa fisioterapeuta Elisa Pilarski, convocada para fazer parte da delegação brasileira de Taekwondo. O evento começa em 24 de agosto e vai até 5 de setembro. As competições de taekwondo serão disputadas nos dias 2, 3 e 4 de setembro. O Clube Esperia é uma referência em paradesporto e outros atletas já tiveram oportunidade participar de outras edições paralímpicas, como os 4 atletas do Basquete em Cadeira de Rodas convocados para a Rio 2016. As modalidades contam com o apoio do Comitê Brasileiro de Clubes - CBC. Parabéns à fisioterapeuta e boa sorte!

Confira a entrevista com Elisa Pilarski.

Blog Esperia: Tem algum tipo de preparação para serem convocados, como funciona essa parte? Sabemos que os atletas seguem um percurso intenso em busca pelas melhores marcas e etc. Como é na sua área?

Elisa Pilarski: Para estar em uma confederação brasileira a nível de seleção brasileira, você precisa ter experiência no alto rendimento, estudo. Sou de Chapecó, Santa Catarina, fisioterapeuta formada na Universidade Regional de Blumenau e durante os estágios já iniciei o trabalho com esporte. Fiz pós-graduação, mestrado e vim a São Paulo para fazer doutorado no INCOR/USP, iniciei uma pós-graduação em alto rendimento e performance no NAR (Núcleo de Alto Rendimento) e foi o início da minha história dentro do Taekwondo. Por isso que a necessidade de estar sempre se atualizando na área de fisioterapia esportiva é primordial para conquistar uma vaga a nível de seleção, participar das principais competições internacionais dentro do esporte e assumir cargos dentro do esporte. Hoje, além de ser fisioterapeuta da Confederação Brasileira de Taekwondo, sou: Membro da comissão técnica permanente da Seleção Brasileira de Parataekwondo como fisioterapeuta; Chefe de classificação funcional do parataekwondo no Brasil; Coordenadora do departamento de fisioterapia no projeto olímpico do karatê; Fisioterapeuta do Esperia.

Blog Esperia: Alguma curiosidade dessa preparação que o público em geral nem imagina?

Elisa Pilarski: Para esta Olimpíada/Paralimpíada específica, como classificamos os atletas em março de 2020, 03 atletas paralímpicos e 03 atletas olímpicos no classificatório na Costa Rica, tivemos que fazer os ajustes dos atletas parte tática, técnica e preventiva online, de março até dezembro de 2020. Após este longo período de treinos online e acompanhamento específicos de toda a comissão técnica, no término do ano de 2020, fizemos reavaliações nos atletas e constatamos que os atletas mantiveram seu nível de performance com apenas perda de força. Assim, comprovamos que quando o atleta está focado para uma competição, mesmo com pandemia e todas as adversidades negativas do momento, ele consegue vencê-las; para mim isto já o torna campeão.

Blog Esperia: Você já tem os detalhes de embarque, onde ficará hospedada, com quem você irá, detalhes do embarque para Tóquio?

Elisa Pilarski: Devido ao aumento dos casos (de COVID-19) entre a população japonesa, o comitê organizador do evento não liberou que atletas e comissão técnica fiquem mais que 07 dias no Japão e na Vila Olímpica/Paralímpica, então estaremos aclimatando curiosamente no comitê paralímpico brasileiro, trabalhando e treinando com o fuso do japão para que os atletas possam chegar em uma boa condição de fuso horário. Serão treinos a noite e de manhã cedo para coincidir com horários de lutas e treinos no Japão, loucura não? Nosso embarque será no dia 25 de agosto e as lutas serão nos dias 2,3 e 4 de setembro!

Blog Esperia: Quais serão as suas obrigações enquanto parte da comissão técnica?

Elisa Pilarski: Entre as minhas obrigações com a comissão técnica, está o auxílio aos técnicos para caso necessitem de algum trabalho burocrático, e também acompanho todos os treinos dos atletas, caso alguém sinta alguma dor, ou desconforto consigo ver o momento da lesão ou do movimento que causou a dor, ficando mais fácil de tratar o atleta para a competição. Além de acompanhar os atletas durante o treino físico e técnico, trabalho com a parte preventiva para evitar lesões. Um trabalho regenerativo para a pré-competição utilizando crioimersão (as banheiras de gelo, tão temidas pelos atletas), liberação miofascial, e tratamento dos atletas caso alguém necessite, devido a alguma dor ou desconforto. A fisioterapia, eu digo, está presente em todos os momentos que a seleção está reunida.

Blog Esperia: Qual é a emoção de arrumar as malas para uma Olimpíadas?

Elisa Pilarski: A emoção é única, porque remete a pensamentos de tudo o que você fez na vida profissional e pessoal, para ser convocado, anos de estudos (porque não são só 4 anos), comprometimento, responsabilidade, abdicação de sua vida pessoal. No meu caso, eu saí de Santa Catarina, longe da minha família, em busca do meu objetivo maior. Sofrimento, angústias e por fim realização, pois quando se abre o e-mail com uma carta de convocação com seu nome, em um nicho onde poucos profissionais da minha área foram convocados a nível nacional e internacional, ainda mais em meio a uma pandemia que fica mais restrito ainda o número de profissionais, não tem preço. E o maior orgulho que eu tenho dessa convocação, e do convite da seleção foi que estou onde estou por capacidade, estudo e dedicação.

Blog Esperia: Qual foi a sua trajetória no Clube?

Elisa Pilarski: Minha trajetória no Clube Esperia iniciou em 2019, através do processo seletivo do CBC/Esperia. Tenho um grande orgulho em poder fazer parte do departamento de fisioterapia com meus colegas de trabalho que tenho grande apreço, assim como com os colegas da preparação física que trabalhamos de forma integrada e sou muito grata em poder trabalhar com eles. E lembrando também dos técnicos e todo o restante do Clube que sempre são solícitos aos profissionais do projeto e que sou sempre grata a todos.

Blog Esperia: Que mensagem deixaria para outros pares, que assim como você sonham com uma convocação nesse nível?

Elisa Pilarski: Não desista, persista, acredite, o caminho nunca será fácil, mas sempre será gratificante, principalmente quando você ver o que você conquistou com seu esforço, competência e dedicação. No meu caso como fisioterapeuta, a maior gratificação que tenho do meu trabalho é fazer parte de cada medalha que eu vejo no Pódio e diversas vezes receber dedicatórias por elas. Não é só esporte, é amor, é doação, é respeito.

Agradeço imensamente a Confederação Brasileira de Taekwondo pela oportunidade de poder representar ao Brasil, de poder estar ajudando a reestruturar o taekwondo brasileiro, assim como a todos do Clube Esperia e os responsáveis pelo projeto CBC.

 

 

Sobre o Autor

Por promenade / Editor, bbp_participant, author, contributor on jul 20, 2021

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content